Calça jeans: conheça a história da peça curinga dos guarda-roupas!

Não há como negar que a calça jeans é a peça mais versátil do nosso armário. Além de vestir homens, mulheres e crianças, o item combina muito bem com vários looks — dos mais sofisticados aos mais despojados. Inclusive, é uma alternativa para vestir em vários momentos, seja para um dia de trabalho ou, até mesmo, um jantar à luz de velas. Apesar de ser um item curinga no guarda-roupas de grande parte da população, muitos mal imaginam a verdadeira história da sua origem.

1792: A origem do tecido francês

Apesar de boa parte das pessoas pensarem que o jeans teve origem nos Estados Unidos, a verdade é que o material surgiu na França. Isso mesmo! Tudo começou na cidade de Nimes, localizada na região sul do país. Lá, o tecido foi criado em torno do ano de 1792, e era chamado de “tecido de Nimes”. Por conta disso, ao longo do tempo, a expressão passou a ser reduzida e se tornou o termo que conhecemos hoje como “denim”.
A princípio, o material era bastante espesso, resistente e foi direcionado para a confecção de vestimentas utilizadas pelos trabalhadores do campo ou marinheiros italianos. Diferente de outros materiais, como a seda, por exemplo, o jeans não necessitava de muita manutenção, sendo a opção perfeita para quem precisava de durabilidade e praticidade.

 

1853: A chegada do jeans na América

Mesmo desenvolvido na Europa, o tecido ganhou o sucesso na América do Norte, mais precisamente, nos Estados Unidos. Isso aconteceu graças ao alemão, Oscar Levi-Strauss, que decidiu criar uniformes resistentes e exclusivos para os mineiros da Califórnia e que trabalhavam no período denominado Corrida do Ouro.
Na época, Levi Strauss buscava por uma opção que oferecesse o máximo de resistência e, ao mesmo tempo, conforto para os trabalhadores. Foi então, que o alemão decidiu procurar por novidades na Europa e encontrou o tão famoso denim. Logo, o então uniforme de coloração marrom e calças com três bolsos, deu lugar ao clássico modelo 501 — a criação mais famosa de Levi Strauss.
As peças caíram no gosto da população e foram adotadas pelos ferroviários e trabalhadores rurais. Então, ao longo dos anos a versão tradicional foi sofrendo algumas alterações, como a inclusão de botões de metal, etiquetas de couro e bolsos traseiros.

1930: A popularização da calça jeans

Ainda que a calça jeans fizesse muito sucesso entre a classe trabalhadora, a peça se tornou conhecida mundialmente a partir da década de 1930, com os filmes hollywoodianos de faroeste.
Com a Segunda Guerra Mundial, o conceito de virilidade masculina veio à tona e o denim ganhou ainda mais destaque entre o público masculino, já que era utilizado pelos soldados do exército norte-americano.
É por conta da sua popularização que podemos considerar a calça jeans como uma das peças mais democráticas já lançadas. Ao contrário de boa parte das tendências de moda, o item não foi criado por estilistas, mas sim, popularizado e massificado a partir do seu uso pela classe trabalhadora.

1960 e 1970: A renovação do modelo clássico

Na década de 1960, o modelo mais badalado ainda era o 501. Acessível e sem distinção social, a peça era usada desde a classe operária aos astros do cinema, como Marilyn Monroe, Marlon Brando e Audrey Hepburn.
No entanto, foi mesmo na década de 1970 que a clássica versão foi repaginada e ganhou um visual inusitado. Este foi o grande momento da calça boca de sino, que marcou presença, principalmente, no movimento hippie e no festival de Woodstock.
É também nesse período que o jeans passou a fazer parte das coleções de grandes nomes da moda, como Ralph Lauren e Calvin Klein. Isso fez com que alguns modelos fossem transformados em itens de luxo, com muita sofisticação e sensualidade. Algumas peças foram ajustadas ao corpo para dar destaque ao quadril e deixar o visual mais sexy.

 

1980: Mais originalidade para a peça

Não há dúvida de que os anos 1980 foram marcados pelos figurinos exóticos e cheios de originalidade. Contudo, é nessa fase que o jeans teve boa aceitação e foi adotado pelo público jovem e com ideologia rebelde.
Este é o caso dos punks — que, aos poucos, conseguiram levar muitas das suas características para o vestuário, como o uso de camisetas, regatas e a customização de peças com spikes, grampos e tachas. Aqui, a calça jeans
trazia a modelagem baggy, com a cintura alta e caimento mais largo no corpo.
A década também foi marcada pelo surgimento dos yuppies — um público jovem, de classe média-alta, que trabalhavam em grandes empresas, usavam ternos, gravatas, casacos de grifes e muita alfaiataria.
Foi sob a influência desse público que o jeans entrou na esfera da haute couture. Nomes como Versace, por exemplo, colocaram o denim para desfilar nas principais passarelas de Paris e Milão.
Além disso, e com a chegada do japonismo, o jeans ganhou mais texturas e modelagens diferenciadas. Cortes oversized e visuais desgastados e rasgados foram muito utilizados por ícones da cultura pop, como Madonna.

2000 até hoje: A versatilidade do jeans

Os anos 2000 foram marcados pelo uso das calças Saint-Tropez, que traziam uma modelagem skinny e cintura baixa, com a finalidade de valorizar o bumbum, a cintura e as coxas. Para combinar com o visual, muitos ainda
utilizavam cintos ou correntes.
Estrelas como Britney Spears e Christina Aguilera foram alguns dos ícones que ajudaram a deixar essa versão famosa. No entanto, o modelo logo caiu em desuso, já que o seu formato era pouco confortável e, com o uso contínuo, eram capazes de comprometer o corpo das mulheres.
Atualmente, a calça jeans encontra-se em diferentes versões, sempre buscando oferecer o máximo do conforto para os consumidores. Por isso, é muito mais fácil encontrar peças com tecido leve, em variadas lavagens e que possuam muita elasticidade.
Tanto para os homens, quanto para as mulheres, a peça pode ser combinada com uma infinidade de tecidos, estampas e texturas. Blazers, salto alto, camisas sociais, tricôs, tênis e camisetas são algumas das peças que deixarão o seu look caprichado.

No Replies to "Calça jeans: conheça a história da peça curinga dos guarda-roupas!"

    Leave a reply

    Your email address will not be published.